Esquilos vermelhos das Ilhas Britânicas estão infetados com a bactéria da lepra

0 424

Microbiologistas da Escola Politécnica Federal de Lausana ( EPFL) e da Universidade de Edimburgo descobriram que os esquilos vermelhos da Grã-Bretanha e da Irlanda continuam infetados com as duas espécies de bactérias que causam a lepra nos seres humanos.

A lepra foi uma epidemia que progrediu de forma galopante na Europa medieval, tendo depois diminuído de forma drástica até o final da Idade Média, por razões que ainda não são conhecidas.

Há cerca de um século que a lepra praticamente desapareceu na Europa, pelo menos entre os seres humanos. Mas examinando os esquilos vermelhos doentes da Inglaterra, Irlanda e Escócia, cientistas da EPFL e da Universidade de Edimburgo descobriram agora que as mesmas bactérias que causam a lepra em humanos também infetam a espécie do esquilo-vermelho. O trabalho que dá conta desta descoberta foi recentemente publicado na revista Science .

A hanseníase é uma doença infecciosa que afeta principalmente a pele, nervos periféricos, trato respiratório superior e os olhos. É causada pela bactéria Mycobacterium leprae e pela recentemente descoberta lepromatosis Mycobacterium. Considerada uma das doenças mais antigas, a hanseníase tem tido um enorme impacto social através de várias culturas ao longo da história. Controlada em grande parte nos dias de hoje graças aos antibióticos, existem ainda mais de 200.000 novos casos de hanseníase notificados a cada ano no mundo.

Um facto pouco conhecido é que a lepra também afeta animais, como os tatus e, como agora foi descoberto, os esquilos vermelhos. A partir de testes de ADN realizado em 110 esquilos vermelhos da Inglaterra, Escócia e Irlanda, uma equipa de investigação chegou à conclusão que alguns desses animais apresentaram sintomas clínicos de lepra.

Surpreendentemente, os esquilos vermelhos de Brownsea Island, ao largo da costa sul da Inglaterra, foram infetados com uma estirpe de M. leprae que está intimamente relacionado com o encontrado no esqueleto de uma vítima de lepra que foi enterrado em Winchester há 730 anos, a apenas 70 km de Brownsea Island.

Pensa-se que a bactéria da lepra se compõe por duas estirpes provenientes do México e da Europa, que divergiram de um ancestral comum há cerca de 27.000 anos . “Foi completamente inesperado verificar que muitos séculos depois da sua eliminação nos seres humanos no Reino Unido, a  M. leprae permaneça em esquilos vermelhos”, diz Stewart Cole, um dos autores desta investigação. “Isso nunca foi observado anteriormente”, diz.

O estudo mostra como um agente patogénico pode permanecer como não detetado no ambiente durante centenas de anos depois de ter sido extinto na população humana. “A descoberta da lepra em esquilos vermelhos é preocupante do ponto de vista da conservação, mas não deve levantar preocupações para as pessoas do Reino Unido”, diz Anna Meredith, outra investigadora que integra a equipa. “Nós precisamos entender como e porque razão a doença é adquirida e transmitida entre os esquilos vermelhos para que possamos fazer uma melhor gestão da doença nesta espécie icónica”, sublinhou.

Mas haverá algum perigo para os seres humanos?  Eis a questão que todas as pessoas estão a colocar depois desta descoberta. “Não há nenhuma razão para pânico”, diz Andrej Benjak, um dos principais autores do estudo. ” A Lepra autóctone não foi detetada no Reino Unido ao longo das últimas décadas, no entanto, não podemos excluir a possibilidade de alguns casos raros, não declarados ou diagnosticados, que se tenham originado no Reino Unido.”

“O próximo passo lógico depois deste estudo é verificar a população de Esquilo-vermelho fora das Ilhas Britânicas, onde se inclui a Suíça”, diz Benjak. “Mesmo se houver lepra nos esquilos vermelhos na Europa continental, o risco de transmissão para as pessoas  é considerado baixo por causa do contacto muito limitado que os seres humanos têm com esta espécie, uma vez que a caça ao esquilo- vermelho é proibida na maioria dos países europeus.”

 
Referência:
Red squirrels in the British Isles are infected with leprosy bacilli.
C. Avanzi, J. del-Pozo, A. Benjak, K. Stevenson, V. R. Simpson, P. Busso, J. McLuckie, C. Loiseau, C. Lawton, J. Schoening, D. J. Shaw, J. Piton, L. Vera-Cabrera, J. S. Velarde-Felix, F. McDermott, S. V. Gordon, S. T. Cole, A. L. Meredith.
Science, 2016; 354 (6313): 744 DOI: 10.1126/science.aah3783 
Comentários
Loading...