Publicação recente

cate

António Luís Pereira é historiador e arqueólogo de formação. Nasceu numa pequena aldeia vinhateira do Douro, Vale de Mendiz, concelho de Alijó, e desenvolve a sua actividade no âmbito da investigação, gestão e preservação do Património Cultural.

É licenciado em História, variante de Arqueologia, ramo científico, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com  Mestrado em História e Arqueologia Medievais pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Defendeu a tese de mestrado intitulada “O Castelo de Ansiães: Contributo para o Estudo da Idade Média no Vale do Douro”.

Durante os últimos 20 anos desempenhou as funções de Técnico Superior na Extensão do IPA e do IGESPAR de Macedo de Cavaleiros, actual departamento da Direcção Regional de Cultura do Norte, onde desempenha e desenvolve actividades no âmbito da gestão pública da arqueologia transmontana e do Património Cultural.

Avaliou e acompanhou projectos e obras em imóveis classificados e em vias de classificação e respectivas zonas de protecção, tendo submetido pareceres à consideração superior relativos a obras realizadas nos Centros Históricos da Região de Trás-os-Montes e Alto Douro.

No âmbito da sua actividade profissional relocalizou, analisou, descreveu, estudou e georreferenciou 1119 sítios arqueológicos da região de Trás-os-Montes e alto Douro. Este trabalho baseia-se na utilização de tecnologias e sistemas de informação com vista à elaboração da Carta arqueológica Nacional. De destacar a utilização de softwares relacionados com tratamento de fotografia, utilização de GPS e utilização dos programas ARCVIEW – GIS e Quantum. Utiliza com regularidade praticamente diária o Sistema de Informação e Gestão Arqueológica Endovélico e todos os demais sistemas de informação aplicados ao património arqueológico, nomeadamente na perspectiva de Carta Arqueológica Nacional.

Tem um vasto curriculum como comissário em processos de Avaliação de Impacte Ambiental na vertente do Património Cultural (participação em comissões de avaliação, definição de condicionantes de natureza arqueológica e acompanhamento de projectos em fase de pós avaliação) e em outros instrumentos de ordenamento territorial como Planos Directores Municipais, Planos de Pormenor, Planos de Urbanização, Planos de Ordenamento Territorial e acompanhamento de projetos de construção civil de grande dimensão, no domínio da gestão, da fiscalização, verificação e acompanhamento das condicionantes de natureza arqueológica em fase de execução, onde se incluem a Barragem do Baixo Sabor, Auto-estrada Transmontana, IC5,  IP2,  Barragem do Alto Tâmega e Barragem de Foz Tua.

Possui larga experiência em gestão de espólio e reservas de espólio arqueológico. Gere os depósito de materiais arqueológicos, preservando pela sua manutenção e gerando protocolos de colaboração institucional com museus ou unidades museológicas regionais.

Participa regularmente em acções vocacionadas para a sensibilização pública e em iniciativas destinadas ao conhecimento e divulgação do património cultural em congressos e encontros científicos, e é responsável pela criação de conteúdos e implementação de recursos tecnológicos para a divulgação do património cultural, nomeadamente do património arqueológico, arquitectónico e imaterial.

Dirigiu ainda intervenções arqueológicas em processos de emergência e em processos de investigação.

Participou como responsável científico no desenvolvimento e implementação de projectos de musealização, a nível da construção do discurso museográfico,  nomeadamente na investigação de conteúdos, construção de textos, filmagens, realização, montagem e edição de vídeos, sonoplastia e concepção e implementação de webdesign, onde se incluem o Centro Interpretativo do Castelo de Ansiães e o Museu da Memória Rural de Vilarinho da Castanheira.
Desenvolve projectos em vídeo, áudio e fotografia no âmbito da recolha do património imaterial, segundo as directrizes definidas pela Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Esta vertente baseia-se numa abordagem e numa metodologia sustentadas em tecnologia audiovisual, com o intuito de recolher em áudio, vídeo e fotografia as diferentes manifestações que integram o património imaterial da região transmontana, tais como:
a) Tradições e expressões orais, incluindo a língua como vector do património cultural imaterial;
b) Práticas sociais, rituais e eventos festivos;
c) Conhecimentos e práticas relacionados com a natureza;
d) Aptidões ligadas ao artesanato tradicional.

Exerce regularmente, por complemento da sua acção cultural, a actividade da escrita jornalística, dirigindo um órgão de informação regional (Notícias do Nordeste – Registado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social com o nº 125301). Possui a Carteira nº TE-652  emitida pela Comissão da Carteira Profissional de Jornalista. Dirigiu a revista “Íncubo”, publicação literária editada pela  Associação de Estudantes da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Interessa-se particularmente por  Antropologia Visual, Proto-História, Romanização, Idade Média, Paleodemografia, Património Imaterial e tecnologias de comunicação no âmbito do Ciberjornalismo.

No campo das tecnologias de informação é responsável pela implementação, criação de conteúdos e design de sites e newsletters onde se incluem:
1 – Notícias do Nordeste – Informativo Digital do Nordeste Transmontano
2 – Centro Interpretativo do Castelo de Ansiães 
3 – Museu da Memória Rural de Vilarinho da Castanheira
4 – Visualidades
5 – Alijó-On

É autor de algumas publicações de divulgação e com carácter científco:

• PEREIRA, António Luis; LOPES, Isabel Alexandra Justo (2017)  – “Catálogo do Museu da Memória Rural”.Carrazeda de Ansiães: Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães.
• PEREIRA, António Luís (2011) – “ O Castelo de Ansiães: Contributo para o Estudo da Idade Média no Vale do Douro”. Cristão e Muçulmanos na Idade Média Peninsular – Encontros e desencontros”. Lisboa. p. 297-308.
• PEREIRA, António Luis; LOPES, Isabel Alexandra Justo (2008) – “Carrazeda de Ansiães – Terra com Marcas do tempo”. Carrazeda de Ansiães: Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães.
• PEREIRA, António Luis; LOPES, Isabel Alexandra Justo (2008) – “Castelo de Ansiães – 5000 anos de História”. Carrazeda de Ansiães: Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães.
• PEREIRA, Luis; et alii (2007) – O Estado da Arqueologia em Portugal – Uma reflexão interna . In Al-Madam IIª Série, nº 15 . Almada.
• PEREIRA, António Luis; REDENTOR, Armando (2007) – Uma nova escultura proto-histórica em Picote (Miranda do Douro). Terras de Miranda – Revista do Centro de estudos António Maria Mourinho. Miranda do Douro. 2, p. 8-25.
• PEREIRA, António Luis; LOPES, Isabel Alexandra Justo (2005) – Património Arqueológico do Concelho de Carrazeda de Ansiães. Carrazeda de Ansiães: Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães.
• PEREIRA, António Luis (2001) – Vila Medieval de Ansiães: cabeça de um território situado entre o rio Tua e o Rio Douro. No prelo.
• PEREIRA, António Luis (2000) – Cachimbos cerâmicos do século XVII da Casa do Infante (Porto). In Actas das III Jornadas Sobre Cerâmica Medieval e Pós-Medieval (Tondela, 1997). Tondela: CMT.
• PEREIRA, Luis; SOARES, Nuno (2000) – A Intervenção arqueológica na Vila Medieval de Ansiães. Actas do 2º Congresso Internacional sobre o rio Douro,Vol. I . Vila Nova de Gaia.
• PEREIRA, António Luis; SOARES, Nuno Miguel (1997) – Ansiães, um povoado com rupturas no seu processo histórico? . “DOURO – Estudos e Documentos”. Porto. 4, p. 63-76.
• PEREIRA, António Luis; SOARES, Nuno Miguel (1996b) – O Castelo de Ansiães, Boletim da Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães, Carrazeda de Ansiães, 1996.
• PEREIRA, António Luis; SOARES, Nuno Miguel (1996a) -A intervenção Arqueológica na Vila Medieval de Ansiães, “ DOURO – Estudos & Documentos”.Porto. p. 281- 283.

livro3
livro2

Outras publicações

livro1