Alterações climáticas já estão a causar a extinção de espécies

0 306

É

um processo que está em curso e o cientista John Wiens coloca já a hipótese de em apenas 50 anos poder ocorrer a terceira extinção animal em massa.

Na atualidade o biólogo John Wiens já estabeleceu um conjunto de extinções relacionados com as mudanças climáticas. Segundo o investigador, centenas de espécies vegetais e animais em todo o mundo estão a extinguir-se. Os seus dados, publicados na revista eletrónica PlosOne , regista que  cerca de 47%  das extinções locais já ocorreram num universo das 976 espécies vegetais e animais por si estudadas.

As mudanças climáticas que estão em curso vão ameaçar muitas espécies da sua extinção, mas também se prevê que outras espécies  vão ser capazes de resistir e de enveredar por um novo processo de adaptação. Contudo, se ainda não se sabe como a vida animal e vegetal vai responder ao processo global de aquecimento do clima, por outro lado já se sabe que o futuro no planeta terra vai ser mesmo muito difícil.

Dezenas de estudos já demonstraram que as espécies estão a mudar nas suas escalas geográficas ao longo do tempo e em função do aquecimento global. Transformações drásticas estão a ocorrer quer em diferentes habitats quer em diferentes altitudes e latitudes.

A nova investigação do professor John J. Wiens , investigador da Universidade do Arizona,utiliza diferentes estudos já realizados sobre esta problemática para mostrar que as extinções locais estão a acontecer ou aconteceram muito recentemente em mais de 450 espécies de plantas e animais.

John Wiens analisou 716 tipos diferentes de animais e 260 de plantas em diferentes partes do planeta como a Ásia, Europa ou América e chegou à conclusão que houve a extinção de 47,1% das espécies. E este resultado é tanto mais surpreendente quanto é verdade que o aquecimento global tem tido um aumento médio de temperaturas que até agora ainda não ultrapassou 1 grau Celsius.

As previsões do biólogo John Wiens não são muito optimistas. Ele calcula que estas extinções quase certamente se tornarão muito mais generalizadas ao longo do tempo, porque se prevê que o aumento global das temperaturas seja de 1 a 5 graus nas próximas décadas. O grau de dificuldade deste problema, realça o investigador, será exponencialmente aumentado quando estas extinções locais se estenderem a espécies de que o ser humano depende para se alimentar.

O estudo também testou a frequência de extinção local em diferentes regiões, habitats e grupos de organismos, tendo-se demonstrado que as extinções locais ocorreram em cerca de metade das espécies investigadas em diferentes habitats e grupos taxonómicos. No entanto, os resultados também mostraram que essas extinções variam de região para região e são quase duas vezes mais comuns entre as espécies tropicais do que entre as espécies que vivem em meios temperados. Este facto é importante de realçar, porque a maioria das espécies de plantas e animais vivem nos trópicos.

Os resultados deste estudo contribuem também para melhorar a compreensão sobre o comportamento de plantas e dos animais na sua resposta às alterações climáticas globais e destacar a necessidade de retardar e impedir ainda mais este processo global de aquecimento.

 
Referência:
John J. Wiens. Climate-Related Local Extinctions Are Already Widespread among Plant and Animal Species. PLOS Biology, 2016; 14 (12): e2001104 DOI: 10.1371/journal.pbio.2001104

 

Comentários
Loading...